(21) 2178-2211 ou (21) 3875-6767

Siga-me nas mídias sociais!

Psicóloga C.R.P: 18558/05

(21) 2178-2211 ou (21) 3875-6767

Psicóloga C.R.P: 18558/05

ADULTO JOVEM (Sexo Feminino)

(Este depoimento foi escrito pelo próprio cliente, a identidade de todos foi preservada segundo o código de ética e a publicação de todos foi autorizada pelos próprios).

Quando de repente surgiu a hipótese de eu fazer análise, minha mãe achou um absurdo e disse: – Gastar dinheiro com isso??? Eu vou ser a sua analista, você não precisa me pagar e eu vou te escutar sempre.

Relutei e como sempre insisti na minha vontade. Marquei a consulta mas não anotei em lugar algum o dia e a hora, liguei mais umas duas vezes para confirmar.

Quando chegou o dia estava ansiosa e imagina uma psicóloga toda de branco com uma cara estranha. Confesso q sempre tive preconceito com psicólogos e psiquiatras, achava que todos fosse loucos. Ao entrar no consultório e deparei com uma mulher linda, bem arrumada( não estava de branco), simpática, era a própria psicóloga NAZARETH RIBEIRO.

Confesso que quando ela me perguntou o motivo de eu ter procurado a terapia não me contive e começei a chorar, chorar, chorar.

Na sessão falei poucas coisas, disse q estava um martírio eu concluir a minha faculdade (Direito), a qual não estava satisfeita, que fazia estágio em um escritório o qual recebia uma quantia pífia, todos os planos q eu tinham eu não colocava em prática ou quando colocava não concluía, sempre iniciava, mas ficava sempre pela metade, nunca acabava.

Enfim, estava perdida, não sabia nem por onde começava para dar algum rumo em minha vida. Logo no início da terapia já tive êxito em algumas coisas. Mais animada, adquiri imediatamente uma agenda a qual eu anotava sempre os meus compromissos, inclusive o dia do análise e a hora, não foi mais preciso ligar para confirmar o dia e horário como da primeira vez.

Fiquei entusiasmada com a faculdade, para concluir logo essa etapa em minha vida.

Minha mãe que no início achava supérfluo, pelo contrário passou a acreditar que fazia efeito e sempre dando força para nunca faltar, e sempre me apoiando.

Finalizei a minha faculdade, e logo fiz a prova da OAB/RJ, a qual passei de primeira vez, como isso fez com que a minha auto estima aumentasse e hoje sou uma advogada.

(Esta cliente foi por mim diagnosticada TDAH, hoje está estudando para concursos públicos e se sente mais focada para estudar e está cursando pós-graduação)

Deixe um Comentário